Pages

LICENÇA

I- É terminantemente proibida a cópia total ou parcial das postagens neste blog.
II- Você pode citar trechos das postagens publicadas aqui desde que inclua um link de referencia ao blog "Enfermagem Continuada", dando os créditos de autoria a mim Enfª Ana Carolina Palmieri.
III- Lei 9610 - artigo 184 do Código Penal brasileiro.

Autora: Drª Ana Carolina de Morais Rêgo Palmieri - Enfermeira Especialista.

É a prevenção de lesão decorrente da deficiência circulatória por pressão exercida sobre um ponto por período prolongado.

Materiais:
  • Luvas de procedimento.
  • Roupa de cama limpa.
  • Forro.
  • Travesseiro
  • Coxins.
  • Colchão piramidal.
  • Hidratantes.
  •  Material par higiene íntima, s/n.
  • Poltrona.
  • Protetor de calcâneo, s/n.
  • Protetores de pele.
  • Escala de Braden.
  • Escala para mudança de decúbito.
Descrição da Técnica:

1. Avaliação de risco:
  • Considerar clientes restritos ao leito ou cadeira de rodas e aqueles com capacidade debilitada de reposicionamento.
  • Utilizar o método de avaliação de risco: Escala de Braden para assegurar uma avaliação sistemática e padronizada por toda a equipe.
  • Avaliar todos os clientes de risco no momento da admissão e em intervalos regulares.
  • Identificar todos os fatores de risco, de forma a direcionar as medidas preventivas específicas para cada um.
2. Cuidados com a pele e medidas preventivas:
  • Inspecionar a pele pelo menos uma vez ao dia e documentar as observações.
  • Individualizar a freqüência de banho. Utilizar um agente de limpeza suave, evitar água quente e fricção excessiva.
  • Avaliar e controlar incontinência. Quando não puder ser controlada, limpar a pele no momento em que sujar utilizar uma barreira tópica e selecionar absorventes ou fraldas que forneçam de forma rápida uma superfície seca à pele.
  • Utilizar hidratantes na pele seca. Minimizar os fatores ambientais que causam o ressecamento da pele.
  • Evitar massagear as proeminências ósseas (isto não significa não hidratar e proteger a pele destas regiões).
  • Posicionar adequadamente o cliente, utilizando técnica correta de movimentação e transferência de forma a minimizar as forças de fricção e cisalhamento na pele.
  • Utilizar lubrificantes e/ ou coberturas protetoras para reduzir a lesão por fricção.
  •  Identificar e corrigir os fatores que comprometam a ingestão calórica e protéica e considerar a utilização de suplementação ou suporte nutricional para pessoas que necessitem.
  • Monitorar e documentar as intervenções e os resultados.
3. Redução de carga mecânica e utilização de superfícies de suporte:
  •  Reposicionar o cliente restrito ao leito ao menos a cada duas ou três horas e o cliente restrito a cadeira (cadeirantes) a cada hora.
  • Documentar a utilização da escala para mudança de decúbito no prontuário de cada cliente.
  • Selecionar recursos que reduzam a pressão para cada cliente de risco, segundo suas necessidades. Não utilizar almofadas tipo argola.
  • Considerar o alinhamento postural, a distribuição do peso, balanço e estabilidade e o alívio da pressão quando posicionar os clientes.
  • Ensinar os clientes cadeirantes que são capazes a mudar a posição ou promover manobras de alívio de pressão a cada 15 minutos.
  • Utilizar recursos tipo trapézio ou forro de cama para elevar ou movimentar ao invés de arrastar os clientes durante a transferência ou mudança de posição.
  • Utilizar travesseiros ou almofadas de espuma para manter ás proeminências ósseas como joelhos e calcâneos fora do contato direto com a cama ou próprio corpo
  • Utilizar recursos que aliviem totalmente à pressão nos calcâneos (colocar travesseiros sob a panturrilha para elevar os pés).
  • Evite posicionar o cliente apoiando-o diretamente sobre o trocânter. Quando utilizar o decúbito lateral, lateralizar o cliente em ângulo de 30 graus.
  • Elevar a cabeceira da cama o menos possível e por pouco tempo (ângulo máximo de 30 graus).
A punção venosa periférica é realizada através de um cateter vascular.O cateter vascular é um tubo (cateter) inserido em um ducto ou vaso sanguíneo. São indicados em clientes que necessitem da administração de medicamentos, soluções e hemofiltração (plasmaferese).

Material:
  • Bandeja de inox.
  • Luvas de procedimento.
  • Cateter vascular periférico (nº do calibre adequado).
  • Bola de algodão.
  • Almotolia de álcool a 70%.
  • Garrote.
  • Papel toalha.
  • Fita adesiva.
  • Polifix 02 vias.
  • SF 0,9% ampola de 10 ml.
  • Seringa de 10 ml.
Descrição da Técnica:
  • Lavar as mãos.
  • Reunir o material e levar próximo ao cliente.
  • Orientar o cliente e/ou o acompanhante sobre o procedimento que será realizado.
  • Posicionar o cliente de forma confortável.
  • Escolher um acesso venoso de melhor calibre, preferencialmente no antebraço.
  • Calçar luva de procedimento.
  • Garrotear o membro a ser puncionado, acima do local da punção (evitar garrotear direto sobre a pele o cliente, colocar uma folha de papel toalha ou garrotear sobre a manga da roupa para tornar a técnica mais confortável para o cliente).
  • Realizar anti-sepsia do local de punção com algodão embebido em álcool a 70% em movimentos únicos do distal para o proximal.
  • Abrir o invólucro do dispositivo e certificar-se da integridade do mesmo, segurando-o pela parte distal.
  • Segurar a pele firmemente com a mão não dominante, enquanto segura o cateter com a outra mão. Inseri-lo na pele com o bisel voltado para cima, em ângulo de 30º, cerca de 1 cm abaixo do local de introdução no vaso, no trajeto da veia.
  • Quando observar retorno venoso (refluxo), avançar o cateter para dentro da veia, mantendo o eixo do cateter e em seguida, ir retirando a agulha guia gradualmente.
  • Soltar o garrote.
  • Conectar o polifix já salinizado com SF 0,9%.
  • Fixar o cateter com a fita adesiva, evitando movimentos no local puncionado para não traumatizar ou perder a inserção.
  • Abrir uma das vias do dispositivo para uma rápida “lavagem” na extensão com SF 0,9% para evitar obstrução do acesso por formação de coágulo.
  • Colocar a data e o período sobre a fixação para controle de 72 horas.
  • Reunir o material e descartar no lixo, a agulha guia do cateter no coletor de perfuro cortante.
  • Retirar luvas e desprezá-las.
  • Lavar as mãos.
  • Anotar o procedimento em impresso próprio, no prontuário do cliente.
Obs. Quando o cliente necessitar receber apenas uma dose do medicamento, a punção venosa periférica poderá ser realizada com scalp.

POSTAGENS POPULARES

TOTAL DE VISITAS

 
Copyright (c) 2010 ENFERMAGEM CONTINUADA. Design by WPThemes Expert

Themes By Buy My Themes and Direct Line Insurance.