Pages

LICENÇA

I- É terminantemente proibida a cópia total ou parcial das postagens neste blog.
II- Você pode citar trechos das postagens publicadas aqui desde que inclua um link de referencia ao blog "Enfermagem Continuada", dando os créditos de autoria a mim Enfª Ana Carolina Palmieri.
III- Lei 9610 - artigo 184 do Código Penal brasileiro.

Autora: Ana Carolina de Morais Rêgo Palmieri - Enfermeira

A sonda nasoenteral é fabricada em poliuretano e silicone, materiais estes que não sofrem alterações físicas em contato com o PH ácido do estômago. São flexíveis, maleáveis e duráveis. Seu calibre é fino, com uma ogiva distal de tungstênio, que possibilita seu posicionamento após o esfíncter piloro, além disso, durante seu trajeto permite o fechamento dos esfíncteres (Cárdia e Piloro). Sua indicação esta associada as patologias que levam a dificuldades na deglutição, impossibilitando a alimentação por via oral.

Material:

  • Bandeja de inox.
  • Luvas de procedimento.
  • Sonda DOBBHOFF.
  • Seringa de 20ml.
  • Pacote de gaze.
  • Papel toalha.
  • Lidocaína gel.
  • Água destilada - 10 ml.
  • Fita adesiva.
  • Estetoscópio.
  • Saco plástico para lixo.
  • Biombo s/n.

Agente:

Procedimento privativo do enfermeiro.

Descrição da Técnica:

  • Orientar o cliente e/ou o acompanhante sobre o que será feito;
  • Realizar a higiene das mãos;
  • Reunir o material necessário em bandeja de inox ou carrinho de procedimento;
  • Solicitar ao acompanhante que aguarde fora do quarto ou posicione o biombo;
  • Elevar a cabeceira da cama (Posição Fowler – 45º) com a cabeça inclinada para frente ou decúbito dorsal horizontal com cabeça lateralizada;
  • Proteger o tórax com o papel toalha;
  • Limpar o nariz e a testa com gaze para retirar a oleosidade da pele;
  • Medir a sonda do lobo da orelha até a ponta do nariz e da ponta do nariz até a cicatriz umbilical (mínimo de 65 cm);
  • Marcar com a fita adesiva o local da sonda que será introduzida;
  • Calçar as luvas de procedimento;
  • Lubrificar a extensão da sonda com água destilada e a ponta da sonda com lidocaína;
  • Iniciar a passagem da sonda em uma das narinas solicitando ao cliente que degluta e introduzir até a marca da fita adesiva;
  • Observar sinais de cianose, dispnéia e tosse, principalmente se estiver inconsciente;
  • Testar o posicionamento da sonda para avaliar se a mesma esta locada na cavidade gástrica: 1)  injetar 20 ml de ar na sonda e simultaneamente auscultar região epigástrica com o auxílio do estetoscópio (Será auscultado presença de ruído, no qual indica que a sonda está na cavidade gástrica) e 2) aspirar com a mesma seringa o conteúdo gástrico;
  • Promover a fixação da sonda sem que haja tração da asa do nariz, para evitar lesões por isquemia;
  • Retirar o fio guia, higienizar com água e sabão e guardar na própria embalagem (Pode ser necessário repassar a sonda e nesse caso utilizaremos o fio guia novamente).
  • Solicitar um raio-x de tóraco-abdominal para confirmar o posicionamento da sonda antes de iniciar a dieta (O pedido de raio-x poderá ser solicitado pelo enfermeiro se for Protocolo Institucional);
  • Colocar o cliente se possível em decúbito lateral direito para que a peristalse gástrica facilite a migração da sonda através do piloro e chegue ao duodeno ou solicite que caminhe para estimular a descida da sonda até o local apropriado (região pós pilórica);
  • Reunir o material e fazer o descarte no saco plástico para lixo;
  • Retirar as luvas e desprezá-las.
  • Higienizar as mãos;
  • Realizar a anotação de enfermagem;

 A confirmação da localização da sonda será evidenciada no raio-x e o mesmo deverá ser avaliado e liberado pelo médico.





Fonte: www.youtube.com

POSTAGENS POPULARES

TOTAL DE VISITAS

 
Copyright (c) 2010 ENFERMAGEM CONTINUADA. Design by WPThemes Expert

Themes By Buy My Themes and Direct Line Insurance.