Pages

LICENÇA

I- É terminantemente proibida a cópia total ou parcial das postagens neste blog.
II- Você pode citar trechos das postagens publicadas aqui desde que inclua um link de referencia ao blog "Enfermagem Continuada", dando os créditos de autoria a mim Enfª Ana Carolina Palmieri.
III- Lei 9610 - artigo 184 do Código Penal brasileiro.

Autora: Ana Carolina Palmieri (Enfermeira)


A sonda nasoenteral é fabricada em poliuretano e silicone, não sofrem alteração física em contato com o PH ácido do estômago, são flexíveis, maleáveis e duráveis. Seu calibre é fino, com uma ogiva distal (tungstênio) possibilitando seu posicionamento além do esfíncter piloro, permitindo também o fechamento dos esfíncteres durante seu trajeto (Cárdia e Piloro). Sua indicação esta associada as patologias que levam a dificuldades na deglutição, impossibilitando a alimentação por via oral.

Material:
  • Bandeja de inox.
  • Luvas de procedimento.
  • Sonda DOBBHOFF.
  • Seringa de 20ml.
  • Copo com água s/n.
  • Pacote de gaze.
  • Papel toalha.
  • Lidocaína gel.
  • Fita adesiva.
  • Estetoscópio.
  • Biombo s/n.
  • Saco plástico para lixo.
Descrição da Técnica:
  • Lavar as mãos.
  • Preparar o material e colocar sobre a mesa de cabeceira.
  • Orientar o cliente e/ou o acompanhante sobre o que será feito.
  • Solicitar ao acompanhante que aguarde fora do quarto e/ou posicione o biombo.
  • Elevar a cabeceira da cama (posição Fowler – 45º) com a cabeceira inclinada para frente ou decúbito dorsal horizontal com cabeça lateralizada.
  • Proteger o tórax com o papel toalha e limpar as narinas com gaze.
  • Limpar o nariz e a testa com gaze para retirar a oleosidade da pele.
  • Medir a sonda do lóbolo da orelha até a ponta do nariz e da ponta do nariz à base do processo xifóide e acrescentar aproximadamente 10 cm.
  • Marcar com adesivo.
  • Calçar luvas de procedimento.
  • Lubrificar a ponta da sonda com lidocaína.
  • Introduzir a sonda em uma das narinas pedindo ao cliente que degluta, introduzir até a marca do adesivo.
  • Observar sinais de cianose, dispnéia e tosse, principalmente se estiver inconsciente.
  • Testar se a sonda está na cavidade gástrica por meio de um destes métodos.
  • Injetar 20ml de ar na sonda e auscultar na altura da região epigástrica simultaneamente, será auscultado um ruído, no qual indica que a sonda está na cavidade gástrica.
  • Aspirar com a mesma seringa o conteúdo gástrico.
  • Colocar a ponta da sonda no copo com água se houver borbulhamento há indicação que está nas vias respiratórias.
  • Solicitar um raio-x de tóraco-abdominal para confirmar o posicionamento da sonda antes de iniciar a dieta.
  • Colocar o cliente se possível em decúbito lateral direito para que a peristalse gástrica facilite a migração da sonda através do piloro e chegue ao duodeno ou solicite que caminhe para estimular a descida da sonda até o local apropriado (região pós pilórica).
  • Após a confirmação da locação da sonda pelo raio-x, retirar o fio guia.
  • Remover a oleosidade do nariz com gaze e promover a fixação da sonda sem que haja tração da asa do nariz, para evitar lesões por isquemia.
  • Colocar o cliente em posição confortável.
  • Reunir o material e fazer o descarte no saco plástico para lixo.
  • Retirar as luvas e desprezá-las.
  • Lavar as mãos.
  • Anotar procedimento em impresso próprio, no prontuário do cliente.
Obs. Procedimento realizado somente pelo médico ou enfermeiro.

POSTAGENS POPULARES

TOTAL DE VISITAS

 
Copyright (c) 2010 ENFERMAGEM CONTINUADA. Design by WPThemes Expert

Themes By Buy My Themes and Direct Line Insurance.